Qual o melhor horário do dia para tomar café?

Qual o melhor horário do dia para tomar café?

Tomar uma boa dose de café assim que acordar para começar bem o dia ou esperar até o meio da manhã? Talvez seria melhor durante a tarde? Tomar café à noite, pode? A seguir elucidamos algumas questões sobre a relação entre o consumo de café e o horário em que isso é feito.

É incontestável a presença do café no dia a dia. Seja em casa, no trabalho, na escola ou no caminho de um lugar para outro, qualquer hora parece uma boa hora para tomar aquele cafezinho.

Já é sabido que o café possui diversos benefícios para quem o consome, desde maior disposição para as tarefas do cotidiano até redução de mortalidade e prevenção de doenças em seu consumo regular. Apesar disso, ainda há dúvidas que rondam sua forma de consumo e se de alguma maneira quando e como ele é feito interfere em todos os benefícios que o café pode trazer.

Relação entre cafeína e cortisol

Em 2013 um grupo de pesquisadores coordenado por Steven Miller, pós-doutorando da Universidade Militar de Ciências da Saúde, em Bethesda, no estado de Maryland (EUA), determinou que os melhores horários para consumir café seriam entre às 9h30 e 11h30 e entre às 13h30 e 17h00 devido à relação da cafeína com o cortisol.

O cortisol é um hormônio essencial à vida que está relacionado à liberação de glicose no organismo, proporcionando energia para realizar as atividades do dia a dia. O cortisol tem produção cíclica e circadiana, ou seja, acompanha o ciclo de sono e vigília de forma consideravelmente fixa para cada indivíduo. Com isso, temos três picos de liberação de cortisol no organismo aproximadamente às 8h30 (o maior deles), às 12h30 e às 18h.

Entre esses picos de produção de cortisol ocorre uma baixa fisiológica do hormônio e seria nesses intervalos os melhores momentos para consumir café. Isso porque, segundo o estudo, a cafeína teria uma interação com o cortisol de modo que altas doses do hormônio seriam responsáveis pelo desenvolvimento de maior tolerância à cafeína, necessitando de doses cada vez maiores para alcançar o mesmo efeito. Também é dito que nesses momentos de menor concentração hormonal a cafeína cumpriria o papel estimulante do cortisol e também estimularia sua produção.

Críticas e questionamentos

Apesar de parecer bastante sensato, o estudo é controverso e recebeu diversas críticas, inclusive de especialistas médicos da área. Inicialmente, é difícil determinar exatamente o pico ou vale de liberação de cortisol de cada indivíduo e associar tal informação com seu consumo de café.

Além disso, cada organismo é único e, apesar de correspondermos a padrões biológicos semelhantes, cada organismo responde de forma diferente às diferentes substâncias que o adentram. Nesse caso, a ação da cafeína, seja em sua intensidade ou duração, se mostra diferente em cada pessoa de acordo com sexo, idade, hábitos de vida, composição corporal, dentre outras variantes.

Também não há comprovação científica da possível interação entre cafeína e cortisol. É fato que o organismo pode desenvolver tolerância à cafeína dependendo da regularidade e intensidade de consumo, entretanto não há comprovação científica de ligação desse fenômeno com o hormônio citado, bem como a produção de cortisol não é comprovadamente afetada pela cafeína.

Existe algum consenso?

Dentre os especialistas no assunto não há um consenso sobre melhor horário para consumir café, entretanto existe consenso a respeito da relação da cafeína com o estado de sono e vigília, o que pode direcionar não um melhor horário, mas sim melhor período atrelado à intenção que se tem ao tomar café.

A cafeína é um importante estimulante do sistema nervoso central e, portanto, seus principais efeitos no organismo estão ligados a aumentar o estado de vigilância, melhorar a disposição e evitar a sensação de fadiga. Ela auxilia também na liberação de adrenalina, o que a torna ainda mais estimulante e, além disso, essa substância contribui para elevar o bem estar geral por estar correlacionada à modulação de dopamina.

Os efeitos típicos obtidos após tomar café geralmente duram de 3 a 6 horas, dependendo do metabolismo de cada indivíduo. Frente a isso, o mais indicado é que esse consumo aconteça pela manhã ou tarde. É recomendado que se evite a cafeína durante a noite pois, dado a manutenção e seus efeitos por horas, ela pode atrapalhar o sono causando inclusive insônia.

Individualidade e escolhas

Apesar das constatações acima citadas é importante lembrar que cada indivíduo é único e o consumo de cafeína pode ser muito benéfico mesmo sem obedecer os horários recomendados. A exemplo dos estudantes ou trabalhadores noturnos, uma boa dose de café no meio da noite pode ser essencial para ajudar a cumprir tarefas que precisam ser feitas durante esse período. Também vale mencionar os indivíduos que, seja pelo consumo frequente ou pela resposta diferente do organismo, não sentem interferência da ingesta em dose habitual de café no sono.

Conclui-se, portanto, que a melhor hora para consumir café é a hora que cada qual se sentir bem para isso. Seja pela manhã, para dar energia para o resto do dia, ou durante a noite na, véspera de uma prova importante, o fundamental é sempre consumir um café de qualidade, assim como os cafés especiais da Fazenda Aliança. Nossos produtos possuem grãos 100% selecionados, ausência de impurezas e torra adequada, além de sabor e aroma extremamente agradáveis e ausência de amargor, o que torna a experiência de tomar um cafezinho ainda mais prazerosa independente do dia ou hora.

 

Conheça nossa linha completa de Cafés Especiais


Os benefícios do café para a saúde

Os benefícios do café para a saúde

De vilão a mocinho, o café sempre foi alvo de questionamentos, mas atualmente já sabemos que ele pode sim ser muito benéfico à saúde. Entenda agora um pouco mais como.

Há muito se discute sobre o quão bom ou mau o café pode ser para a saúde daqueles que o ingerem com regularidade. É claro que quando tratamos de um consumo excessivo tudo pode oferecer riscos, mas diversos estudos apontam que aqueles consumidores habituais de café, cujo consumo não ultrapassa 400 mg de cafeína por dia, só tendem a se beneficiar desse hábito. Rico em antioxidantes e diversas substâncias biologicamente ativas, o café tem muito a acrescentar como impacto positivo na saúde de quem o consome.

Aumento da vigília, disposição e bem-estar

A cafeína é um importante estimulante do sistema nervoso central e, portanto, seus principais efeitos no organismo estão ligados a aumentar o estado de vigilância, melhorar a disposição e evitar a sensação de fadiga.

Poucos minutos após a ingestão de cafeína já é possível notar seus efeitos devido a sua rápida absorção e a curto prazo ocorre a redução do sono, mantendo a pessoa acordada. Isso acontece por gerar um bloqueio pela cafeína dos receptores de adenosina, o que impede os efeitos inibitórios gerados por esse neurotransmissor que é característico por ser tranquilizante.

A cafeína auxilia também na liberação de adrenalina, o que a torna ainda mais estimulante. Além disso, essa substância contribui para elevar o bem estar geral por estar correlacionada à modulação de dopamina.

Esses efeitos tipicamente obtidos após tomar um cafezinho geralmente duram de 3 a 6 horas, dependendo da velocidade de metabolismo de cada indivíduo, portanto é importante lembrar que tomar café durante a noite pode atrapalhar o sono, causando inclusive insônia.

Melhora no desempenho físico

A cafeína é tida como uma substância ergogênica segundo diversos estudos, ou seja, ela possui o potencial de proporcionar melhora em diversos aspectos em práticas esportivas. Dessa forma, ela apresenta mecanismos celulares que promovem efeito energético, aumento na liberação de adrenalina, maior quebra e mobilização de gordura, economia de reservas de glicogênio muscular e aumento da força de contração dos músculos, resultando em um aumento de rendimento físico. Também há uma ampla influência na redução da sensação de fadiga, dado todo potencial estimulante já citado.

A melhora de desempenho impulsionada pela cafeína foi mais significativa principalmente em exercícios de longa duração ou alta intensidade, não sendo muito percebida em exercícios com breve tempo de duração.

Estudos apontam que, após ingestão, a cafeína atinge máxima concentração no organismo em aproximadamente 40 minutos, ou seja, esse seria o tempo recomendado para ingerir café antes de praticar as atividades esportivas para se aproveitar o máximo dos benefícios citados.

Um ponto importante a ressaltar é que o consumo de café pode aumentar a diurese. Atividades físicas já são caracterizadas pela perda de água por meio do suor, portanto é importante atentar-se para a reposição de água e eletrólitos a fim de evitar uma possível desidratação.

Tratamento de dependência e depressão

O grão verde de café é rico em ácidos clorogênicos, compostos antioxidantes que durante a torra se transformam em quinídeos, os quais possuem um potente efeito antagonista de opióides. Nas células nervosas esses compostos ocupam os receptores opióides e com isso diminuem a necessidade exagerada de substâncias como a endorfina. Dessa forma, o resultado obtido é um bloqueio no desejo de auto gratificação e auxílio na modulação de dopamina, que promove a melhora do humor e sensação de bem-estar.

Esse mecanismo pode ser utilizado para auxiliar na prevenção de depressão ou como adjuvante no tratamento da própria depressão e de dependência química, uma vez que promove o bem estar e bloqueia a necessidade de auto gratificação que leva ao consumo de drogas.

Poder analgésico

A cafeína atualmente é amplamente utilizada como adjuvante em medicamentos analgésicos, como ibuprofeno e paracetamol, potencializando seus efeitos e reduzindo o tempo de ação. Isso se deve aos efeitos analgésico e vasoconstritor que a cafeína possui, sendo muito efetiva principalmente para combater a dor de cabeça. Essa substância também atua no bloqueio da rede transmissora de sinais dolorosos, auxiliando na função antiálgica.

Também é muito comum encontrar cafeína presente em medicamentos antigripais. Isso se deve ao seu poder estimulante cerebral, proporcionando maior disposição e melhora do estado geral.

Redução de mortalidade e prevenção de doenças

Devido às suas propriedades antioxidantes e antinflamatórias, o café tem se mostrado um excelente aliado na prevenção de doenças e, consequentemente, aumento na expectativa de vida.

Diversos estudos mostram uma tendência de redução de mortalidade entre consumidores habituais de café, sendo ela em torno de 10% menor para todas as causas e alcançando entre 12 e 20% de redução de mortalidade por doenças cardiovasculares. Também foi demonstrada uma redução de 20% de risco de AVC (acidente vascular cerebral) e um aumento de tolerância a exercícios entre pacientes com doenças coronárias crônicas com angina.

A respeito do diabetes mellitus, tem sido mostrada uma associação positiva, apresentando uma relação inversa entre o consumo de café e o desenvolvimento da doença, notando-se uma ainda maior redução no risco entre as mulheres.

O café, por ser um estimulante do sistema nervoso central, também se mostra benéfico ao cérebro, auxiliando em suas atividades intelectuais e estado de humor. Além disso, alguns estudos têm associado o consumo da bebida com significativa redução na incidência de Parkinson e alguns tipos de câncer, como de mama, fígado, próstata, cólon, reto e bexiga.

É importante salientar que todos os benefícios citados são garantidos apenas quando referentes ao café puro e de excelente qualidade, com grãos 100% selecionados, ausência de impurezas e torra adequada. Assim são os nossos cafés especiais, que apresentam todas essas características além de sabor e aroma extremamente agradáveis e ausência de amargor, o que torna a experiência de tomar um cafezinho ainda mais prazerosa e agora, sem dúvidas, saudável.

 

Conheça nossa linha completa de Cafés Especiais